Juliano Moreira: psiquiatra que superou o preconceito

 

Por Dr. Lauro Arruda Câmara Filho

Nasceu em 6 de janeiro de 1872,  em Salvador, Bahia. O pai foi o português Manoel do Carmo Moreira  Júnior, inspetor da iluminação pública. Sua mãe, Galdina Joaquina do Amaral, era empregada doméstica na residência de Luis Adriano Alves de Lima Gordilho (Barão de Itapuã) , conceituado  médico e professor da faculdade de medicina,  que era padrinho do garoto e foi quem patrocinou os seus estudos. Juliano fez os estudos iniciais no Colégio Pedro II e depois no  Liceu Provincial de Salvador.

Em 1886, aos 13 anos, iniciou os estudos na Faculdade de Medicina da Bahia. No quinto ano,  foi  interno na Clínica Dermatológica e Sifiográfica.  Formou-se  em 1891, aos 19 anos, com a tese Sífilis Malígna Precoce. Passou a clinicar na Santa Casa de Misericórdia , sendo médico assistente do Hospital Santa Isabel. Em19 de setembro de 1894 foi admitido por concurso como preparador de anatomia  médico-cirúrgica. Neste ano, identificou no Brasil a doença  botão endêmico dos países quentes ( botão da Bahia,ou  leishimaniose tegumentar). Foi o primeiro cientista a descrever a Hydroa vacciniforme (uma fotodermatose rara) com publicação no Britsh Journal of Dermatology;  foi pioneiro no uso do microscópio para estudo do Micetoma, do Goundum e Ainhum (Dactylolysis spontanea);  e também foi quem primeiro efetuou uma punção lombar na Bahia, para estudo do líquido cefalorraquidiano dos doentes de sífilis e lepra.

Em 1896, foi aprovado em primeiro lugar,  com nota máxima,  no concurso para auxiliar de ensino da cadeira de Moléstia Nervosas e Mentais, com a tese Discinesias Arsenicais (sobre envenenamento por arsênio). Sua aprovação foi motivo de grande comemoração por parte de seus amigos, que temiam que ele fosse prejudicado por ser mulato. Nesta época também dedicou-se ao estudo das línguas: inglês, francês, italiano e alemão. Juliano era um trabalhador metódico e aglutinador de colegas nos seus desafios. Participou intensamente da Escola Tropicalista da Bahia, da fundação da Sociedade de Medicina e Cirurgia  e da Sociedade de Medicina Legal da Bahia.  Contribuiu por uma década com a revista Gazeta Médica da Bahia, sendo seu principal redator. Fez viagens de estudos para a Europa (Alemanha, França, Inglaterra, Itália, Bélgica , Holanda, Suiça e Escócia) . Portador de tuberculose, esteve internado em um sanatório no Cairo, Egito, onde conheceu a enfermeira alemã Augusta Peick, com quem se casou.

Representou o Brasil em congressos internacionais: em Paris, na França, e  em Berlim, Alemanha, onde foi eleito Presidente Honorário do 4º Congresso Internacional de Assistência a Alienados (no ano de 1900). Também foi congressista em Lisboa, Portugal (1906) ; em Milão,  Itália e   Amsterdã, Holanda (em 1907); e em Londres,Inglaterra e Bruxelas, Bélgica, em 1913..

Em 26 de março de 1903,  foi nomeado diretor do serviço sanitário do Hospício Nacional de Alienados, na então capital federal, Rio de Janeiro. Em 16 de julho do mesmo ano encaminhou uma exposição de motivos ao Ministro da Justiça e Negócios Interiores, na qual afirmou a importância da criação de uma lei geral de Assistência a Alienados, sancionada em dezembro de 1903. Durante seu trabalho como diretor do Hospício, humanizou o tratamento e acabou com o aprisionamento dos pacientes; mudou a estrutura física e estabeleceu novos modelos assistenciais; criou laboratórios e oficinas de trabalho. Criou enfermaria infantil, retirou as grades das janelas das enfermarias, aboliu os coletes e camisas de força, criou o Pavilhão Seabra com várias oficinas (ferreiro, bombeiro, mecânica elétrica, carpintaria, marcenaria, tipografia, etc.) para recuperação dos pacientes e implantou oficinas artísticas . Instituiu a assistência a familiares, e inaugurou uma biblioteca dotando-a de obras clássicas antigas e modernas francesas, inglesas, alemãs e italianas.

Neste período o hospital recebeu o líder da Revolta da Chibata, João Cândido, para tratamento de uma “psicose de exaustão”. Defendeu a idéia de que a origem das doenças mentais se devia a fatores físicos e situacionais, como a falta de higiene e falta de acesso à educação, contrariando o pensamento racista em voga no meio acadêmico, que atribuía os problemas psicológicos da população brasileira à miscigenação. Em 1911,  criou o Manicômio Judicial, nomeando seu primeiro diretor o grande amigo e sucessor no Conselho Penitenciário do Rio de Janeiro, o psiquiatra potiguar  Heitor Carrilho.

Foi membro da Diretoria da Academia Brasileira de Ciências entre 1917 e 1929, tendo ocupado o cargo de Presidente no último triênio. Foi também membro de diversas sociedades médicas em todo o mundo. Dentre as instituições internacionais das quais fez parte, incluem-se a Anthropologische Gesellschaft (Munique), a Societé de Medicine (Paris) e a Medico-legal Society (Nova York).

Em novembro de 1930, o novo presidente – Getúlio Vargas – dissolveu o Congresso Nacional, as câmaras, as assembléias estaduais e nomeou interventores nos estados . Em 8 de dezembro de 1930, Juliano Moreira foi destituído da direção do Hospital Nacional de Alienados, onde também morava. Aposentado, foi morar num hotel em Santa Teresa. Mantinha suas visitas a alguns de seus pacientes particulares, fazia atendimentos no Sanatório Botafogo e frequentava as sessões da Sociedade Brasileira de Neurologia, Psiquiatria e Medicina.

Com a piora da tuberculose, seu médico, Dr. Miguel Couto,  encaminhou-o para o Sanatório de Correias, na serra de Petrópolis, onde veio a falecer aos 61 anos, no dia 02 de maio de 1933. Não deixou filhos.