Frederick Banting

Por: Dr. Lauro Arruda Câmara Filho

Frederick Grant Banting  nasceu em 14 de novembro de 1891, em Alliston, Ontário-Canada. O ensino secundário foi em  escola pública de Alliston. Iniciou o estudo de teologia na Universidade de Toronto, mas logo transferiu-se para o curso de medicina, que concluiu em 1916. Ingressou no  departamento de saúde do exército  canadense e foi servir na 1ª Guerra Mundial (28/07/1914 a 11/11/1918) na França, atuando no resgate de feridos no campo de batalha e nos hospitais militares de campanha. Em 1917, foi ferido na batalha de Cambraia e em 1919 foi condecorado com  a Cruz Militar por heroísmo sob fogo. Com o fim da guerra, retornou ao Canadá e trabalhou como médico  por pouco tempo  na cidade de Londres, em Ontário.

Entre 1919 e 1920, fez residência médica em cirurgia ortopédica no Hospital para Crianças Doentes de Toronto. No ano seguinte, dedicou parte de seu tempo ensinando ortopedia na Universidade de Ontário, em Londres, Canadá. A partir de 1922, foi professor de farmacologia na Universidade de Toronto e foi agraciado com a medalha de ouro do doutorado em medicina.

Motivado pela perda um colega de turma, Banting desenvolveu grande interesse nos estudos da diabetes, doença que naquele tempo era uma sentença de morte. Na época, sabia-se que a doença era causada pela falta de um hormônio secretado pelas ilhotas de Langerhans, do pâncreas. O termo insulina tinha sido criado em 1894 por Sir Edward Albert Sharpey-Schafer, fisiologista inglês, após ele concluir teoricamente que um hormônio produzido pelo pâncreas seria responsável pelo diabetes mellitus. Schafer sugeriu que essa substância controlava o metabolismo da glicose, sendo a sua falta o motivo para o acúmulo do açúcar no sangue e a excreção excessiva pela urina.

Com ajuda de John James Rickard Macleod, professor de fisiologia da Universidade  de Toronto, do doutorando de medicina Charles Best e do bioquímico James Collip, Banting intensificou suas pesquisas para descobrir a insulina em pâncreas de cachorros. Após extrair a insulina de bovinos e injetar em animais com diabetes, a equipe comprovou a sua eficiência no controle da doença. Para provar que a insulina bovina poderia ser usada em humanos, Banting e Best injetaram a substância em suas próprias veias.

O primeiro paciente a ser tratado com insulina foi o jovem Leonard Thompson, de 14 anos.  Banting e Best dedicaram-se à disciplina de Pesquisa Médica da Universidade de Toronto,  com patrocínio da Província de Ontário. Além de descobrir a insulina, o Instituto Banting e Best fez outros estudos importantes: pesquisou sobre câncer, sobre os problemas causados pela silicose (doença respiratória causada pela aspiração de pó de sílica) e ainda os mecanismos dos afogamentos e como impedi-los.

Em 1922, Banting  recebeu o Prêmio Reever da Universidade de Toronto. Em 1923, aos 32 anos, juntamente com John James Rickard Macleod,  foi agraciado com o Prêmio Nobel de Fisiologia e Medicina , sendo o mais jovem cientista a receber o prêmio nessa área do conhecimento. Banting dividiu sua parte em dinheiro  do prêmio com Charles Best e Macleod fez o mesmo com James Collip. Os quatro pesquisadores não patentearam sua descoberta no intuito de baratear a produção do medicamento e beneficiar um maior número de pessoas com esse tratamento.

Frederick Banting também foi agraciado com os títulos honoríficos LL.D ( doutor em leis) e D.sc (doutor em ciências) em Queens e Toronto, respectivamente. O parlamento do Canadá o premiou com uma remuneração anual vitalícia de $7.500 dólares pela sua descoberta e por ser o primeiro canadense a receber o prêmio Nobel de Medicina.  Banting fez parte de diversas academias médicas  e sociedades no seu país e no exterior, incluindo a Sociedade Britânica e Americana de Fisiologia e a Sociedade de Americana de Farmacologia. Em 1934, recebeu do rei George V, o título britânico  de Cavaleiro (Sir).

Banting foi ainda um pintor de sucesso e participou de diversas excursões de pintores, como uma feita à região Ártica, patrocinada pelo governo canadense, entre julho a setembro de 1927. Uma cratera da lua foi batizada de Banting em sua homenagem.

Durante a 2ª Guerra Mundial, demonstrou interesse no estudo dos problemas dos vôos, fisiologia nas grandes altitudes e síncope dos pilotos, e também serviu como oficial de relacionamento entre os serviços médicos britânicos e americanos.

Faleceu em um desastre aéreo em Newfoundland,( Terra Nova-Canada) , aos 49 anos, em 21 de fevereiro de 1941 . Em 2004, o nome de Sir Frederick Banting foi o quarto mais votado entre os mais importantes canadenses.

 

.