Por:  Dr. Lauro Arruda Câmara Filho

Dr. Januário Cicco

Dr. Otávio de Gouveia Varela


Em 1909, Alberto Maranhão, então governador do RN, transformou sua casa de veraneio – localizada no alto do monte Petrópolis- em uma casa de caridade, com 18 leitos para internações. Inaugurado em 12 de setembro de 1909, o Hospital de Caridade Juvino Barreto, homenagem ao industrial e filantropo que foi  sogro e tio afim do governador, tinha um único médico, Dr. Januário Cicco, que era também o diretor da instituição. Só em 1917 foi contratado o clínico Dr. Otávio de Gouveia Varela  para ajudar Dr. Januário, inclusive nas anestesias. Em 1935, o hospital foi ampliado  e passou a se chamar Miguel Couto. Atualmente, é o Hospital Universitário Onofre Lopes.

Em 1927, Dr. José Tavares retornou do Rio de Janeiro, onde se formou,  e passou a operar no Hospital de Caridade. No ano seguinte, ele realizou em Natal a primeira raquianestesia com sucesso, sendo até motivo de reportagem no jornal A República. Foi José Tavares quem fez a primeira transfusão de sangue e também a primeira gastrectomia no Rio Grande do Norte.

Em 1935, foi realizada pelo Dr. Clóvis Sarinho a primeira raquianestesia pediátrica potiguar, para a retirada de um cálculo na bexiga de uma criança de 10 anos, no Hospital do Seridó, em Caicó.

Quando a Faculdade de Medicina de Natal foi fundada,  em 29 de janeiro de1955, tendo como primeiro diretor o médico Onofre Lopes da Silva,  não havia o ensino da disciplina Anestesiologia. Naquela época, as cirurgias eram feitas com não especialistas em anestesia, geralmente o próprio cirurgião, auxiliado pelo pessoal de enfermagem ou médicos clínicos. Dentre os clínicos que faziam as anestesias destacaram- se Olavo Montenegro, Múcio Galvão e Antônio Leopoldino.

O primeiro cirurgião com treinamento na especialidade anestesiologia foi o Dr. Cleone Noronha, que era responsável pela disciplina de Propedêutica Cirúrgica da Faculdade de Medicina. Em 1952 ele fez estágio no Hospital dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro e introduziu no nosso meio a anestesia geral com indução venosa,  a manutenção inalatória com éter, a  descurarização  no final do ato cirúrgico e praticou a raquianestesia hiperbárica.

A Faculdade de Medicina de Natal , pertencente à Universidade do Rio Grande do Norte, foi federalizada pela Lei nº 3.849 de 21 de dezembro de 1960, sancionada pelo presidente da República Juscelino Kubitscheck de Oliveira. A primeira turma que concluiu o curso em 1961,  composta de 21 doutorandos, contou com dois anestesistas que foram treinados pelo Dr. Cleone Noronha:  os médicos Abrão Marcos e Edmilson Fernandes de Queiroz. No ano seguinte (1962),  especializou-se em anestesia  o  Dr.  Luiz Gonzaga Bulhões. Na terceira turma, optaram pela anestesiologia os médicos Edísio Pereira e Aluizio Leite.

Em 30 de junho de 1967,  foi fundada  a SAERN (Sociedade de Anestesiologia do Rio Grande do Norte), sendo seus primeiros diretores Manuel Duarte, Dagmar Olímpio Maia e Aluizio Leite. Atualmente,a SAERN conta com 234 anestesistas  associados

A disciplina de Anestesiologia só veio a  fazer parte da grade curricular do Departamento de Cirurgia do curso de medicina da UFRN em 1968, sendo seu primeiro professor o Dr. Dagmar Olímpio Maia. No mesmo ano, foi realizada em Natal a primeira anestesia peridural lombar contínua, pelo Dr. José Rocha, na maternidade Januário Cicco.

A COOPANEST (Cooperativa de Anestesistas do Rio Grande do Norte) foi fundada em 05 de abril de 1994, com 19 cooperados, tendo como diretores Dr. Manoel Duarte (presidente),  Ana Catarina de Nóbrega (diretora técnica) e Patrícia Regina de Figueiredo (diretora-financeira). . Hoje a cooperativa conta com  228  associados.

Fonte: HISTORIA e ESTÓRIA da ANESTESIOLOGIA POTIGUAR/ NILTON DO VALE et al NATAL, RN , 2017.