Peter Brian Medawar nasceu em 28 de fevereiro de 1915 na cidade de Petrópolis, região serrana do estado do Rio de Janeiro, filho  da  britânica Edith Muriel Dowling e do libanês  Nicholas Medawar,   empresário no ramo de pedras semi-preciosas e dono da Ótica Inglesa, no Rio de Janeiro. Passou a infância em Copacabana, onde fez o curso primário.

Peter tinha dupla cidadania. A britânica  foi atribuída no nascimento: “Meu nascimento foi registrado na Embaixada do Reino Unido no prazo requerido para que me tornasse cidadão britânico nato” . Quando Peter tinha 13 anos, foi mandado para a Inglaterra na companhia de sua irmã  Pamela,  para cursarem os estudos secundários.  Pamela casou-se com Sir David Hunt, secretário particular de Winston Churchill e embaixador da Inglaterra no Brasil entre 1969 e 1973. Peter, na época de sua maioridade,  recebia uma bolsa de estudos do governo britânico. Seu pai solicitou a intervenção de seu padrinho, o então ministro da Aeronáutica Salgado Filho, para obter isenção do serviço militar obrigatório no Brasil e não ter que interromper  os estudos na Europa.  Mas o Ministro da Guerra do governo Getúlio Vargas, Marechal Eurico Gaspar Dutra, não atendeu o pleito. Essa questão fez com que a sua cidadania  fosse supostamente perdida e sua nacionalidade brasileira nunca fosse vinculada ao laureado com o prêmio Nobel.

Peter Medawar estudou biologia e zoologia no Marlborough College e depois no Magdalen College da Universidade de Oxford,  onde se destacou pelas melhores notas da turma, graduando-se em 1935, aos 20 anos de idade. Na School of Pathology trabalhou como assistente de Howard Florey, Prêmio Nobel de 1945 por seus estudos sobre a penicilina. Com apenas 24 anos obteve o primeiro lugar em concurso para a cadeira de microbiologia em Oxford.

Em 1947 já era professor titular da cadeira de zoologia na Birmingham University.  Dois anos depois,  foi eleito membro fellow da Royal Society. Em 1951 passou a professor de zoologia e anatomia comparativa na University College of London . Em 1959, recebeu a medalha da  Royal Society.

As pesquisas iniciais de Peter Medawar foram dedicadas à cultura de células e à regeneração de nervos periféricos. Foi pioneiro no emprego de modelagem matemática em culturas de tecidos, aplicando-a na análise do crescimento, morfologia e desenvolvimento celular. Durante a Segunda Guerra , prestou serviço na Unidade de Queimados da Glasgow Royal Infirmary. Os bombardeios na Inglaterra causaram muitas vítimas com queimaduras extensas e a rejeição dos enxertos de pele era um dos maiores problemas médicos. Naquela época acreditava-se que a prevenção da rejeição de pele era questão de habilidade cirúrgica. Medawar demonstrou que a rejeição era um problema biológico, verificando a invasão do enxerto por linfócitos.

Em 1960, juntamente com Frank Burnet, recebeu o Nobel de Fisiologia ou Medicina, pela descoberta  que os enxertos de pele eram rejeitados por uma resposta do sistema imunológico. Ele estabeleceu as bases da tolerância imunológica adquirida e da imunomodulação com corticóides , estudo que ajudou muito no combate aos efeitos da rejeição em transplantes de órgãos e preparou terreno para a descoberta de drogas imunossupressoras, que previnem que as células brancas do sangue do receptor ataquem o tecido doado. O primeiro transplante bem sucedido de um doador morto ocorreu em 1962, e o receptor de rim viveu 21 meses. Outros transplantes vieram logo depois: fígado (1963), pulmões (1963), pâncreas (1966) e coração (1967).

Em 1961, o laureado cientista retornou ao Rio de Janeiro, quando recebeu o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade do Brasil (atual UFRJ). Na ocasião declarou que o retorno ao Brasil, depois de tantos anos, foi uma das maiores emoções de sua vida. Peter se reuniu com cientistas brasileiros e proferiu duas palestras, na Academia Brasileira de Ciências e no Instituto de Biofísica da Universidade do Brasil.

Em 1962 foi nomeado chefe do maior laboratório de investigação médica do Reino Unido, o National Institute for Medical Research, em Mill Hill, e ocupou o cargo até 1971.

Em 1965 foi agraciado com o título de Sir, pela Rainha Elizabeth II. Um dos edifícios da universidade leva seu nome. Em 1969, recebeu a Copley Medal. Foi presidente da British Association for the Advancement of Science no biênio  1968/69.

Em 1969 teve uma série de problemas de saúde, incluindo um acidente vascular cerebral , que o acometeu quando discursava num encontro da  British Association for the Advancement of  Science. Sobre essa doença fez o seguinte comentário “ foi muita falta de sorte, porque Jim Whyte Black ainda não tinha descoberto os medicamentos betabloqueadores, que diminuem as batidas do coração e poderiam salvar minha saúde e minha careira.”

Entre 1971 e 1986, foi o chefe do setor de transplantes no centro de pesquisas clínicas do Medical Research Council, em Harrow. Entre 1971 a 1983, atuou como professor de medicina experimental no Royal Institution e presidente do Royal Postgraduate Medical School (1981-87).

Em 1981 foi eleito Fellow of the British Academy. Foi laureado pela Unesco com o prêmio Kalinga pela popularização da ciência, em 1985.

Era um cientista com múltiplos interesses, incluindo ópera, filosofia e cricket. Era alto (1,95m), robusto, de voz potente, espirituoso e  sempre bem humorado.

A Academia de Medicina do Estado do Rio de Janeiro criou a medalha Peter Medawar  como forma de homenagear o ilustre conterrâneo e perpetuar seu nome nos meios acadêmicos. Em 1990, a The Transplantation Society criou a o Prêmio Medawar , uma homenagem ao seu co-fundador, considerado um dos maiores prêmios científicos mundiais, que já premiou as maiores expressões acadêmicas da imunologia e dos transplantes.

No centenário de seu nascimento busca-se resgatar sua memória. A cidade de Petrópolis  criou um memorial e um pequeno museu em sua homenagem. O ministro Aldo Rabelo, da Ciência e Tecnologia, solicitou ao Itamaraty ação da diplomacia junto ao Instituto Nobel para que Peter Medawar seja reconhecido também como brasileiro.

Peter morreu em Londres aos 72 anos, em 2 de outubro de 1987, devido uma hemorragia cerebral, pouco tempo depois de celebrar bodas de ouro. Era casado desde 1937 com Jean Shinglewood Taylor, filha de um médico de Cambridge, e sua colega da universidade Magdalen. Tiveram dois filhos, Charles e Alexander, e duas filhas, Caroline e Louise.

(Por Dr. Lauro Arruda Câmara – cardiologista)