AVC (Acidente Vascular Cerebral): Causas, Sintomas e Tratamento

  • 0

AVC (Acidente Vascular Cerebral): Causas, Sintomas e Tratamento

O AVC ( Acidente Vascular Cerebral)   é a primeira causa de morte e incapacidade na população adulta brasileira.  O Dia Mundial de Combate ao AVC  é comemorado em 29 de outubro, e tem a finalidade de conscientizar as pessoas sobre as formas de prevenção e tratamento dessa doença cerebral.

AVC(Acidente Vascular Cerebral)

Existem dois tipos de Acidente Vascular Cerebral:  o Acidente Vascular Cerebral Isquêmico (AVCI) e o Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico (AVCH).

 

Causas

O Acidente Vascular Cerebral Isquêmico (AVCI), o mais comum, é causado pela falta de sangue em determinada área do cérebro, decorrente da obstrução de uma artéria.

O Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico (AVCH) é causado por sangramento devido ao rompimento de um vaso sanguíneo.

Nos  dois tipos de AVC  ocorre a perda das funções dos neurônios, uma vez que o sangue, contendo nutrientes e oxigênio, não chega a determinadas áreas do cérebro,  causando os sinais e sintomas que dependerão da região do cérebro envolvida. O AVC atinge pessoas de todas as idades, sendo raro na infância.

Procurar o pronto-socorro assim que forem identificados os primeiros sintomas pode ser decisivo para o quadro. No hospital, pode-se identificar o tipo de AVC, se isquêmico ou hemorrágico, e adotar medidas de tratamento imediato.O tempo é fundamental para preservar a vida e reduzir as sequelas. Estudos apontam que, quanto mais rápido a pessoa recebe o tratamento adequado, maiores são as chances dela se recuperar.

Sintomas do AVC

  • Paralisia súbita de braços e/ou pernas, geralmente unilateral;
  • Súbita alteração de sensibilidade e/ou perda de força;
  • Desvio da rima labial (boca torta);
  • Alteração da fala;
  • Dor de cabeça persistente;
  • Alterações de equilíbrio;
  • Alterações visuais;
  • Alterações de consciência.

Como prevenir o AVC?

  • Reduzir o consumo de sal, gorduras e álcool;
  • Adotar hábitos alimentares saudáveis, como: ingestão de mais frutas, legumes e verduras;
  • Realizar atividades físicas regularmente;
  • Controlar o peso corporal;
  • Controlar a hipertensão arterial, doenças do coração e diabetes;
  • Não fumar.

O que fazer diante da suspeita de AVC?

A identificação rápida dos sintomas é muito importante para o diagnóstico e o tratamento adequado, além de redução de incapacidades. Dirija-se imediatamente a um serviço hospitalar especializado. Não perca tempo! Cada minuto é importante, pois quanto mais tempo entre o surgimento dos sintomas e o início do tratamento adequado maior a lesão no cérebro.

Fonte:  Portal da Saúde http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/acidente-vascular-cerebral-avc

No vídeo abaixo, os neurocirurgiões André Lima, Eduardo Ernesto, João Neto e NIlson Pinheiro explicam mais sobre  as causas,  sintomas e tratamentos do AVC.

 

 


  • 0

Hipertensão Arterial: dia nacional de combate e prevenção

26 de abril é o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial. Quando não identificada precocemente, a hipertensão pode comprometer o organismo e até levar a morte. Estima-se que existam mais de 30 milhões de hipertensos no Brasil, sendo que, segundo o Ministério da Saúde, apenas 10% desta população faz o controle adequado da doença.

A hipertensão  é responsável por 40% dos infartos, 80% dos acidentes vascular cerebral (AVC) e 25% dos casos de insuficiência renal terminal. No mundo, de acordo com a OMS, cerca de 7 milhões de pessoas morrem a cada ano e 1,5 bilhão, adoecem por causa da pressão alta. As graves consequências da doença podem ser evitadas, desde que os hipertensos conheçam sua condição e mantenham-se em tratamento. Previna-se:

Cinco maneiras de evitar a hipertensão

  1. Reduza o consumo de sal nos alimentos, assim como preparações gordurosas;
  2. Pratique regularmente exercícios físicos, pelo menos 20 minutos de caminhada diária;
  3. Evite o consumo excessivo de álcool e, preferencialmente, não fume;
  4. Faça visitas regulares ao cardiologista, principalmente se há histórico de hipertensão na família;
  5. Minimize as situações de estresse, pois hábitos relaxantes melhoram a qualidade de vida.

Quando não identificada precocemente, a hipertensão pode comprometer o organismo e até levar a morte. Estima-se que existam mais de 30 milhões de hipertensos no Brasil, sendo que, segundo o Ministério da Saúde, apenas 10% desta população faz o controle adequado da doença.

Veja mais informações sobre a doença e como combatê-la no site da Sociedade Brasileira de Hipertensão:

http://www.sbh.org.br/


  • 0

H1N1: o que é, sintomas e como evitar

A gripe H1N1 é causada pelo vírus H1N1 da influenza do tipo A.

A gripe – tanto a H1N1 quanto a H3N2 ou a Influenza B – tem como sintomas febre alta e súbita, tosse, dor de garganta, dor no corpo, dor nas articulações e dor de cabeça.

No caso do H1N1, um sintoma que chama a atenção é a falta de ar e o cansaço excessivo. É importante distinguir a gripe do resfriado comum, que é muito mais leve, com sintomas menos graves como coriza, mal estar, dor de cabeça e febre baixa.

Este ano,  o  Brasil já teve 71 casos de morte por H1N1  até 26 de março, segundo o Boletim Epidemiológico de Influenza do Ministério da Saúde, divulgado nesta segunda-feira (4). No ano passado inteiro, foram 36 mortes por H1N1 no país. A chegada antecipada do vírus e a severidade dos casos têm chamado a atenção dos médicos, que discutem várias hipóteses que podem explicar a antecipação da chegada do vírus, que vão desde fatores climáticos até o aumento de viagens internacionais que podem ter trazido o H1N1 que circulava no hemisfério norte.

O H1N1 é responsável, até o momento, pela grande maioria de casos graves e mortes por gripe Influenza no país. Foram registrados apenas 5 casos por Influenza A/H3N2 e nenhum óbito. Já em relação à Influenza B, foram registrados 38 casos e 3 mortes. São Paulo teve o maior número de óbitos por H1N1: 55. Também registraram mortes Santa Catarina (3), Ceará (2), Bahia (2), Minas Gerais (2), Mato Grosso (1), Mato Grosso do Sul (1), Goiás (1), Rio de Janeiro (1), Pará (1) e Rio Grande do Norte (1).

Vacinação

Na rede pública, a campanha nacional de vacinação contra gripe está marcada para começar no dia 30 de abril e vai até o dia 20 de maio. Alguns estados, como São Paulo, anteciparam a vacinação pelo SUS devido ao aumento precoce de casos da infecção.  A vacinação contra influenza no SUS é destinada a alguns grupos prioritários: crianças de 6 meses a 5 anos, gestantes, idosos, profissionais da saúde, povos indígenas e pessoas portadoras de doenças crônicas e outras doenças que comprometam a imunidade.

Como é o tratamento do H1N1?

O tratamento deve envolver boa hidratação, repouso e uso do antiviral específico, prescrito pelo médico. Um deles é o Oseltamivir (mais conhecido pela marca Tamiflu), distribuído pela rede pública para hospitais e unidades básicas de saúde. Trata-se de um antiviral específico contra o vírus Influenza, indicado para pessoas com maior risco de desenvolver complicações. É importante que o paciente consiga tomar a medicação nas primeiras 48 horas do início dos sintomas, para que a eficácia seja maior. O tratamento também pode envolver o uso de analgésicos para aliviar os sintomas.

Veja as dicas abaixo para evitar contrair a gripe e suas complicações: 

  • Evite aglomerações;
  • Não divida objetos de uso pessoal, como toalhas de banho, talheres e copos;
  • Evite tocar superfícies do tipo maçanetas, interruptores de luz, chave, caneta, torneira, entre outros;
  • Descarte luvas ou outros equipamentos de proteção individual contaminados ou tocados por mãos contaminadas;
  • Não circule dentro de hospital usando os equipamentos de proteção individual, que devem ser imediatamente removidos e descartados após a saída do quarto, enfermaria ou área de isolamento;
  • Evite passar as mãos no rosto, olhos, nariz e boca;
  • Tente não entrar em contato com gente doente ou mantenha distância de pelo menos um metro;
  • Lave sempre as mãos;
  • Duas vezes por dia, sobretudo quando esteve em contato com outras pessoas, ou quando chegar em casa, faça gargarejos com água morna contendo sal de cozinha. Decorrem normalmente 2 a 3 dias entre o momento em que a garganta e as narinas são infectadas e o aparecimento dos sintomas, e os gargarejos feitos regularmente podem prevenir a proliferação do vírus;
  • Ao menos uma vez por dia, à noite, por exemplo, limpe as narinas com a água morna e sal. Assoe o nariz com vigor, e, em seguida, com um cotonete para ouvidos (ou um pouco de algodão) mergulhado numa solução de água morna com sal, passe nas duas narinas.

Deve-se evitar o uso de bebedouros públicos? 
Sim. Recomenda-se que cada pessoa utilize copo ou garrafa plástica de uso pessoal. É importante que os bebedouros sejam higienizados com muita frequência. Em caso de dúvida sobre a periodicidade da higienização, evite tomar água diretamente dos bebedouros.

A pessoa gripada deve ficar em casa, evitando ir ao local de trabalho? 
Pessoas com sintomas de gripe devem procurar orientação médica, antes de adotar medidas de isolamento domiciliar, além de manter as medidas de higiene indicadas.

O uso de vitamina C ajuda a prevenir contra a influenza A (H1N1)? 
Uma alimentação balanceada, rica em vitamina C, fortalece o organismo e ajuda a criar mais resistência contra qualquer doença. Porém, isso por si só não garante prevenção contra a influenza A (H1N1), mas ajuda o organismo a responder à infecção.

Posso tomar ácido acetilsalicílico (aspirina)? 
Não é recomendável, pois pode ocasionar alterações que confundam a avaliação clínica. Se houver necessidade, deve ser tomado com acompanhamento médico.

Serve para algo tomar antivirais antes dos sintomas? 
Não.

Quão útil é o álcool em gel para limpar-se as mãos? 
Torna o vírus inativo e o mata.

A água de tanques ou caixas de água transmite o vírus? 
Não, porque a transmissão é por via respiratória.

O vírus ataca mais às pessoas asmáticas? 
Pessoas que estão com o sistema imunológico deprimido são mais propensas a adoecer.

Posso fazer exercício ao ar livre? 
Sim.

Uma gripe convencional forte pode se converter em influenza do tipo A? 
Não.

O que mata o vírus? 
O sol, ficar por mais de cinco dias no meio ambiente; o sabão; os antivirais; e álcool em gel.

O que fazem nos hospitais para evitar o contágio a outros doentes que não têm o vírus H1N1? 
Usam medidas de precaução, como equipamentos de proteção individual e isolamento dos doentes, quando necessário.

Se estou vacinado contra a influenza sazonal sou inócuo a este vírus A? 
Não. A cada ano a vacina é modificada, os componentes são diferentes, e ela só serve para aquele tipo específico de vírus influenza.

Posso me contagiar ao ar livre? 
Embora seja mais difícil, é possível acontecer sim, dependendo da proximidade que se tiver com a pessoa infectada, que esteja tossindo e espirrando.

h1n1