Outubro Rosa – juntos na luta pela vida

  • 0

Outubro Rosa – juntos na luta pela vida

Tags :

Category : Notícias

Mother breast feeding her infant

A cada ano, cerca de  52 mil novos casos de câncer de mama deverão ser diagnosticados no Brasil.  Este é o segundo tipo de câncer que mais acomete as brasileiras (o primeiro é o câncer de pele) , e as chances de cura são maiores  se o dignóstico  for feito no início.

Principais sinais e sintomas do câncer de mama:

  • Caroço (nódulo) fixo, endurecido e, geralmente, indolor;
  • Pele da mama avermelhada, retraída ou parecida com casca de laranja;
  • Alterações no bico do peito (mamilo);
  • Pequenos nódulos na região embaixo dos braços (axilas) ou no pescoço;
  • Saída espontânea de líquido dos mamilos

Ao identificarem alterações persistentes nas mamas, as mulheres devem procurar imediatamente um serviço para avaliação diagnóstica. O câncer de mama também acomete homens, porém é raro, representando apenas 1% do total de casos da doença.

                                                           Fatores  relacionados ao câncer de mama:

 

Fatores ambientais e comportamentais:

  • Obesidade e sobrepeso após a menopausa;
  • Sedentarismo;
  • Consumo de bebida alcoólica;
  • Exposição frequente a radiações ionizantes (Raios-X).
Fatores da história reprodutiva e hormonal

  • Primeira menstruação antes de 12 anos;
  • Não ter tido filhos;
  • Primeira gravidez após os 30 anos;
  • Não ter amamentado;
  • Menopausa após os 55 anos;
  • Uso de contraceptivos hormonais;
  • Ter feito reposição hormonal pós-menopausa, principalmente por mais de cinco anos.
      Fatores genéticos e       hereditários*

  • História familiar de câncer de ovário;
  • Casos de câncer de mama na família, principalmente antes dos 50 anos;
  • História familiar de câncer de mama em homens;
  • Alteração genética, especialmente nos genes BRCA1 e BRCA2.

*A mulher que possui um ou mais desses fatores genéticos/ hereditários é considerada com risco elevado para desenvolver câncer de mama.

 Fonte:  Instituto Nacional do Câncer 



Leave a Reply