Dia Nacional de Vacinação

  • 0

Dia Nacional de Vacinação

O Dia Nacional da Vacinação, comemorado em 17 de outubro,  foi criado para ressaltar a importância das vacinas no controle de doenças e na prevenção de epidemias. No século passado, as vacinas ajudaram a erradicar a varíola e a reduzir significativamente doenças infantis transmissíveis, como a difteria e o sarampo.

Vacinação

A cada ano, estima-se que a imunização por meio de oito antígenos padrão previna 2,5 milhões de mortes. De acordo com a Aliança Mundial para Vacinas e Imunização (GAVI), a introdução de novas vacinas contra a doença pneumocócica e o rotavírus tende a aumentar esse número significativamente.

No Brasil, o Ministério da Saúde (MS) oferece gratuitamente algumas vacinas como: BCG, hepatite B, quádrupla (DTP e HIb), anti-pólio oral e tríplice viral. Mas as sociedades de especialidades, como a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI); a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP);  e a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm)  recomendam um calendário mais completo de vacinação que incluem outras vacinas, como a contra hepatite A.

Como as vacinas atuam?

As vacinas atuam como agentes preventivos e não curam doenças – a vacinação deve ser aplicada antes da contaminação. Após a contaminação, o agente imunizador que deve ser usado é o soro, que é formado por anticorpos previamente produzidos em um outro ser vivo.

As vacinas são agentes imunizadores produzidos a partir de organismos causadores de doenças, tais como vírus e bactérias, que se encontram enfraquecidos ou mortos. Esses produtos são ingeridos ou injetados no corpo para que o nosso organismo produza anticorpos contra os agentes que compõem a vacina. Ao produzir anticorpos, nosso corpo também produz células de memória que guardam a informação sobre o organismo patogênico. Se formos infectados novamente por esse agente, nosso corpo produz células de defesa rapidamente, nos impedindo de ficar doentes.

Um fator  a se destacar é que a vacinação não protege apenas a quem é vacinado – quem é imunizado por ela deixa de transmitir a doença para outras pessoas. Outro ponto é que existem grupos de adultos com necessidades especiais em termos de imunização. Pessoas com asma, por exemplo, devem se vacinar contra a pneumonia. Da mesma forma, diabéticos, imunodeficientes, pessoas em tratamento contra o câncer, que removeram ou baço ou com outras disfunções são candidatas a imunizantes específicos.

Fontes: 

Ministério da Saúde   http://portalsaude.saude.gov.br/

Sociedade Brasileira de Infectologia  https://www.infectologia.org.br/

Para saber mais sobre vacinas, assista ao vídeo com o infectologista André Prudente:

Fontes: 

Ministério da Saúde   http://portalsaude.saude.gov.br/

Sociedade Brasileira de Infectologia  https://www.infectologia.org.br/


Leave a Reply